Menina cansada de estudar

Por que parece que as crianças não aprendem?

Os resultados de testes

– De acordo com os resultados dos testes realizados na segunda série de 30 mil escolas, verificou-se que quase todas as crianças responderam bem às tarefas de teste. No entanto, 70% deles não conseguiram concluir uma tarefa mais criativa: criar frases com as palavras que foram oferecidas. Sua opinião: qual é a raiz desse problema?

– Incapacidade de fazer uma frase é um indicador da falta de forma de escrever e escrever. De fato – mau domínio da língua materna. Isso não é surpreendente: estudos em nosso instituto mostram que, no início da escolaridade, de 40 a 60% das crianças têm fala não formada – vocabulário ruim (muito ruim), incapacidade de construir frases gramaticalmente, incapacidade de fazer perguntas e respondê-las. Recontar eventos, desenhos animados, contos de fadas, crianças não usa frases detalhadas, mas separa palavras e interjeições. Obviamente, o padrão descreve as tarefas de desenvolvimento do discurso oral e escrito, mas a maneira como ele é implementado fornece o resultado que temos.

– Esses problemas podem ser explicados pelas características de uma geração inteira? A incapacidade dessas crianças de se concentrar? Déficit de atenção dos pais? Constantemente imerso em gadgets?

– Definitivamente, este não é um problema de geração, isto é, não é um problema de crianças. Este é um problema de educação. O sistema que leva mal em conta as características relacionadas à idade da formação das habilidades básicas mais complexas – escrita e leitura. Forçando o ritmo da educação, consideração insuficiente das características individuais do desenvolvimento das crianças.

Hoje, em conexão com a inclusão, a situação está se tornando mais complicada, a intensificação geral do processo educacional está se tornando um obstáculo à efetiva formação de habilidades de escrita e leitura. O que posso dizer se as crianças não são ensinadas a ler “para si mesmas”, são ensinadas, precisam ler em voz alta e, de alguma forma, precisam aprender a ler “para si mesmas”, mas a articulação e a pronúncia são preservadas, o que diminui a velocidade da leitura. E o volume está crescendo.

No que diz respeito à imersão em gadgets, esse não é o motivo da falta de educação em escrita e leitura. É mais provável que isso seja um fator de distração, mas poderíamos usar o interesse em gadgets. Além disso, estou convencido de que é urgente desenvolver uma tecnologia para o ensino da escrita usando o teclado. O atraso aqui é inaceitável. Devemos estar preparados para o fato de que não haverá necessidade de escrever com uma caneta.

O problema de desenvolvimento

– Mas e a opinião de que escrever com uma caneta desenvolve o cérebro?

– Garanto-lhe que escrever usando o teclado é uma tarefa ainda mais difícil para o cérebro, o que contribui para o desenvolvimento de todas as funções não menos do que escrever com uma caneta.

– Quão seriamente esses estudantes de diferentes idades diferem de seus colegas vinte anos atrás? Às vezes, os pais e os professores são informados de que as diferenças são tão graves que elas já são supostamente uma “geração perdida”. O que a pesquisa científica diz sobre isso?

– Há 60 anos, nosso instituto realiza estudos de desenvolvimento funcional, estado de saúde, regime e carga de trabalho de crianças de diferentes idades. Estudamos o desenvolvimento funcional do cérebro e da atividade cognitiva, os recursos do desenvolvimento intelectual e as dificuldades de aprendizagem, a adaptação das crianças a diferentes tipos de carga, os fatores de risco que afetam o desenvolvimento e a saúde das crianças, para que possamos comparar pré-escolares e escolares de hoje com seus pares de vinte e quarenta anos prescrição.

A principal conclusão que se pode tirar é que as taxas de desenvolvimento fisiológico e psicofisiológico das crianças modernas não mudaram e as diferenças individuais ainda são muito grandes, ou seja, crianças da mesma idade variam muito no desenvolvimento e nas capacidades adaptativas.

É claro que uma mudança na situação sociocultural do desenvolvimento afeta algumas características, mas essas são características psicológicas e socioculturais, e o desenvolvimento do cérebro, atividade cognitiva e recurso fisiológico do corpo das crianças não mudou significativamente. Ao mesmo tempo, a carga está aumentando, a intensificação do processo educacional está aumentando, os requisitos estão aumentando. E nós mesmos estamos formando a “geração perdida” devido a requisitos inadequados de professores e pais.

O que fazer pela educação

– É possível melhorar a situação apenas com mudanças no conteúdo do padrão educacional de que o ministro fala?

– É difícil para mim responder a essa pergunta, pois não sei qual é o conceito de “preenchimento” do padrão. Parece-me que a questão reside não apenas em “o que ensinar”, mas em “como”, dada a idade e as características individuais das crianças.

O “conteúdo da educação” permaneceu praticamente inalterado (com pequenas variações) nos últimos 50 anos. Mas o “como” – hoje, os professores decidem a seu critério, abordando criativamente a questão. No entanto, a criatividade é boa quando existe uma base profissional profunda, entendimento e conhecimento dos princípios e tecnologias do treinamento. Essa é a maior lacuna nas competências dos professores, então, muitas vezes, encontro métodos e tecnologias de ensino completamente inadequadas.

Deixe-me dar um exemplo: eu vi recentemente a “metodologia” de ensinar a escrever, na qual as crianças tinham que escrever as letras “de cabeça para baixo”. Para a pergunta “Por quê?” a professora, encolhendo os ombros, respondeu: “Tão interessante”. Hoje, em nosso centro consultivo, há um fluxo de alunos da quinta e sexta séries com problemas de escrita, incluindo os que não se lembram de como as cartas são escritas. Que tipo de habilidade podemos falar, que tipo de discurso escrito?

– De acordo com a educação primária do GEF, os pais devem participar da educação de seus filhos. Essa é uma grande conquista, embora as formas de sua participação real pareçam vagas. O que você aconselharia a seus pais? O que essas crianças não têm na família?

– A participação dos pais é outro “truque” dos últimos anos, que a escola entendeu especificamente, de fato, transferindo a responsabilidade pelos resultados da aprendizagem para os pais. E hoje temos professores trabalhando com alunos do ensino fundamental. Não são casos isolados, é um sistema que está ganhando popularidade. O mercado desses serviços, é claro, aumentará se o professor disser aos pais que a criança “não está indo bem” e que apenas o tutor pode ajudar. Leia os fóruns dos pais – eles compartilham sua experiência na preparação de “projetos” (hoje até é possível no jardim de infância), fazendo artesanato, escrevendo ensaios, etc. Eles tentam, se preocupam, se preocupam com notas baixas …

O professor que executa tais tarefas não entende que a criança não pode cumpri-las? A quem enganamos? A questão não é retórica, mas essencial. Se um professor do ensino fundamental não puder ensinar uma criança a ler, escrever e contar (ou seja, é o que os tutores fazem na escola primária), as perguntas não são para a criança e nem para os pais, mas para as qualificações profissionais do professor.

É simples responder à pergunta sobre o que as crianças não têm na família – aconselho crianças com problemas escolares há mais de trinta anos. Eles não têm entendimento e apoio. Pressão severa, violência, incluindo violência física, não são incomuns. E, como nossos estudos mostraram, as causas do conflito são problemas escolares. Isso fecha o círculo, que pode ser quebrado apenas aumentando as qualificações dos professores e educando os pais. Não deve ser uma ação ou palestra única, mas um trabalho sistemático e consistente.

– Os desenvolvedores de padrões, metodologias e livros didáticos ouvem sua opinião?

“Eles nos ouvem atentamente, quase sempre concordam, mas eles levam isso em conta?” Provavelmente não, sim. Por exemplo, por quase 30 anos, provamos a nocividade, a incompatibilidade entre as capacidades funcionais da criança, a habilidade de escrever continuamente e ler rapidamente.

Não existem requisitos no padrão moderno, mas existem metodologistas que hoje verificam a velocidade de leitura “com um cronômetro em suas mãos”. Como muitas inovações mal concebidas do Ministério da Educação e Ciência, elas estão desaparecendo gradualmente, mas ninguém as cancela oficialmente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *